Pacote Mensal

Escolha o Melhor Plano para Você
R$59
R$ 190
00
  • CashBack de R$ 15,00 de Crédito

O que é inteligência Social?

Inteligência social é a habilidade de entender e reagir adequadamente a seu meio social e desenvolver relações saudáveis e produtivas. Segundo Daniel Goleman, baseando-se na neurociência, a  inteligência social consiste da percepção social (incluindo empatia, compatibilidade, inteligência emocional e cognição social) e faculdades sociais (incluindo sincronicidade, auto-apresentação, influência e atenção ao outro) A inteligência emocional só pode ser exercida através da aplicação da inteligência social.

São seis as habilidades que devem ser trabalhadas:

  • Comunicação verbal
  • Comunicação não verbal
  • Auto-apresentação
  • Assertividade
  • Feedback
  • Empatia

Todas as dificuldades humanas estão contidas em processos internos de assuntos não resolvidos e bloqueios mentais que gera o famoso medo, imagina como seria o mundo caso as pessoas não se limitassem a desenvolver todo seu potencial.

O Método PAR inteligência social trabalha primeiro nos fatores internos e depois nos fatores externos.

  • Identificando e fechando ciclos psicológicos.
  • Desenvolvendo a consciência social.
  • Trabalhando a facilidade social
  • Desbloqueios mentais
  • Geração de conexões e resultados
  • Comunicação assertiva
  • Perfil comportamental
  • Três pilares da consciência evolutiva
  • Níveis de feedback assertivo
  • Perda da timidez
  • Escuta ativa
  • Entendendo processos mentais e a  neurociência
  • Existencialismo evolutivo
  • Técnicas de conexão e comunicação
  • Planejamento estratégico

Lucas Raphael

Empresário, criador da índole Society e do Método PAR inteligência social, estrategista de vida e negócios, consultor empresarial, treinador de pessoas, especialista em ciclos psicológicos e desbloqueio mental, autor do livro o caminho cíclico.

“90% das pessoas não sabem jogar o Jogo Social, o jogo da Vida,
se você não entender as regras, as estratégias, você sempre irá perder.”

Lucas Raphael